Financimento

Quilombo São Miguel

O Quilombo de São Miguel dos Pretos se localiza no município de Restinga Seca e reúne 90 famílias em uma área total de apenas 46 hectares. O laudo antropológico desenvolvido na comunidade define o direito a um território três vezes maior que o atual, e no ano de 2009 foi assinado o decreto de desapropriação das terras. Contudo, a contestação por parte dos proprietários do entorno, com o apoio de políticos conservadores da região, provocou a interrupção do processo de titulação. A comunidade de São Miguel dos Pretos teve origem no século XIX, quando Geraldo de Carvalho e Ismael Cavalheiro, escravos que trabalhavam nas estâncias de gado da região e se estabeleceram no local. As terras que eles ocuparam surgiram como uma brecha entre duas grandes sesmarias da região, que pertenciam às famílias Santos Martins e os Bernardes Carvalho, os quais possuíam muitos escravos. Atualmente, a atividade principal dos quilombolas da comunidade é a agricultura de subsistência, complementada pelo trabalho como diaristas nas grandes e médias lavouras vizinhas. O Programa RS Rural, desenvolvido na época do governo Olívio Dutra, contribuiu para a construção de uma infra-estrutura básica (moradias de alvenaria, implementos e maquinários agrícolas, água potável) para o Quilombo de São Miguel e para outras comunidades quilombolas do Estado.